Mantras

Mantras

“ – Os mantras e as orações são a mesma coisa?
– Sim, ambos são variações da meditação.”
Babaji (Apr 84)

O mantra é um som poderoso que nos vem dos mestres antigos quando estavam em estado de consciência intuitiva. A palavra MANTRA é composta de duas sílabas MAN que significa mente (Manas ) e TRA que significa protecção. O mantra tem o poder de nos levar a um estado mental superior. Há muitos mantras, e uma oração ou uma palavra (com um significado espiritual) dita de forma convicta pode transformar-se num mantra.

Exemplos de alguns Mantras:

  • O mantra OM , o Som Sagrado;
  • O mantra OM MANI PADME HUM , um poderoso mantra tibetano;
  • O mantra OM AH HUNG VAJRA GURU PADMA SIDDHI HUNG , o mais poderoso mantra tibetano;
  • O mantra GAYATHRI , a saudação ao Sol, o mantra mais poderoso para a criatividade.

O mantra OM

mantraom
OM ou AUM, tal como Amen e Ahmeen significa o Divino que se manifesta tal como é. OM é o “verbo” em si, o som, a palavra; “no princípio era o verbo”, o que significa o primeiro som ou vibração do qual todos os outros nomes e formas derivam e ao qual todos retornam. OM é o Alfa e o Omega.
Se escutarem lentamente a respiração, com a boca entreaberta, reparam que pronunciam, sem se darem conta, a palavra SOHAM. SO ao inspirar e HAM ao expirar. Ora, SOHAM, em sânscrito, significa vida.

OM é a contracção da palavra SOHAM e é, assim, o Som Primordial, o sopro vital, o som de vida. Ele equilibra o Ser dando-lhe todo o seu poder estabelecendo a harmonia entre os diversos veículos do homem integral nas suas três divisões fundamentais (corpo, mente e espírito). Por outro lado, sendo o som mais puro que existe, ele regenera o homem a todos os níveis e situa-o no plano divino. OMé, por excelência, o som universal de meditação, aquele que dá progressivamente acesso às mais altas realizações espirituais. Mas não é obrigatório entoar o Om sempre que se medita.

Isto não significa que o simples facto de entoar ou pronunciar OM produz os efeitos que este som primordial tem na sua origem. O seu caracter sagrado necessita uma preparação e uma intenção. Sabendo o que ele representa, ele deve ser entoado com a atitude correcta e com veneração. O corpo deve acompanhar o OM que, no momento em que é pronunciado, deve conter verdadeiramente o Ser inteiro.
OM é a contracção das três “sílabas” AUM. Assim,
  • A corresponde ao despertar da consciência (nível da dualidade)
  • U corresponde ao estado onírico (psicológico) de consciência (ainda dual)
  • M corresponde ao estado de sono profundo (estado abençoado, estado psicológico) da consciência (dissolução da dualidade)
Podemos, ainda, fazer a relação com a Numerologia:
  • A corresponde ao 1 (a primeira manifestação do Imanifestado, o primeiro movimento de separação); (numa perspectiva hegeliana, a tese)
  • U corresponde ao 2 (a vivência total da dualidade); (a antítese)
  • M corresponde ao 3 (a dissolução da dualidade, a resolução do 1 com o 2); (a síntese); (na geometria o triângulo, representando a Trindade primordial).
OM significa “bem vindo ao divino”.
A repetição de OM ou AUM dissolve a mente na sua Fonte Divina. Se cantarmos o OM várias vezes em voz alta, isso purifica a atmosfera e o ambiente. Experimente cantar, pelo menos, sete vezes seguidas o mantra OM. Torne cada respiração tão longa quanto possível. Respire fundo e expire devagar, começando por entoar o Ahhhhhhhhhhh, depois o Ohhhhhhhhhhhh e depois o Mmmmmmmmmmmmmm.

Então, respire bem fundo e recomece, repetindo este processo 7 vezes.

No fim, sente-se saboreando o Silêncio. Ficará surpreendido com a vibração que sentir no seu corpo e à sua volta.
Experimente também entoar o mantra OM como meditação. Repita-o silenciosamente para si. Se a mente se dispersar, traga gentilmente o OM de novo à sua mente.

É um mantra que se encontra na composição de vários outros mantras.

OM MANI PADME HUM

om-mani-mantra
(em tibetano, pronuncia-se “Om Mani Peme Hum”)
Este é um poderoso mantra tibetano para o Amor e a Compaixão.

Este mantra tem origem em Chenrezig, o nome tibetano para o Buda da Compaixão (em sânscrito, Avalokiteshvara).Chen significa "Olho", re significa "Canto do Olho" e zig significa "Ver".

Chenrezig significa: “ Aquele que vê as necessidades de todos os seres com olhar compassivo ”.

Significado do mantra:
  • OM inclui as dimensões do Corpo, Mente e Espírito. Muitas vezes vivenciamos distúrbios e emoções negativas que nos afastam da nossa verdadeira natureza. O mantra OM dá-nos a possibilidade de transformar e purificar essas emoções. OM também pode ser traduzido como a essência de todas as formas iluminadas.
  • MANI significa a Jóia que sustenta o Amor e a Compaixão (estes dois são uma verdadeira jóia que torna tudo possível).
  • PADME é Lótus, a flor que cresce na água e que mostra tudo exactamente como é; uma visão, na realidade. A flor da Sabedoria e compreensão ( insight ).
  • HUM representa o espírito de Iluminação. O efeito é a estabilização e purificação do espírito.

Este mantra deve ser entoado em rosário, 108 vezes.

O rosário completo deve ser entoado várias vezes, ao logo de 7 (sete) dias, aquando do processo de transição (morte) de alguém. É extremamente benéfico para o espírito que atravessa os váriosbardos (estágios) do processo de transição (morte).

O mantra do Mestre de Diamante

OM AH HUNG VAJRA GURU PADMA SIDDHI HUNG

mantra-diamante
(em tibetano lê-se: Om Ah Hung Benzer Guru Pema Siddhi Hung)
  • OM AH HUNG: o corpo, a palavra e o espírito despertos
  • VAJRA GURU: o Mestre Adamantino
  • PADMA: o lótus, símbolo de pureza
  • SIDDHI: as realizações
  • HUNG: é a sílaba do coração - receber, reunir, perfazer
«Em resumo, o mantra significa: “Possamos nós receber a transmissão completa das bênçãos do corpo, da palavra e do espírito do Mestre de Diamante!
Recitar este mantra abre o coração às dificuldades de outrém, tornando-o assim uma fonte de cura tanto para nós como para os demais. Como nos permite invocar os seres despertos e em particular Guru Rinpoche, cada uma das suas doze sílabas tem o poder de apaziguar as doenças e os obstáculos. O seu conjunto sagrado previne as perturbações dos elementos (fogo, água, vento, terra e espaço) e ao gravá-lo sobre os rochedos podemos proteger toda uma região. É aliás por essa razão que os rochedos das alturas tibetanas são tão frequentemente ornados deste mantra. Impresso sobre papel ou tecido, quando posto a flutuar ao vento, tem a virtude de expandir a sua mensagem de paz e os seus benefícios sobre todos os seres. Uma vez consagrado, pintado ou escrito, este mantra tem o poder de libertar e de curar os que o vêem; cantado, apazigua e liberta os que o ouvem.
Os mestres que, à força de o recitarem milhões e milhões de vezes, actualizaram o poder deste mantra, são capazes, soprando sobre a água e através de um processo de ordem alquímica, de transferir para essa água o poder de curar certas doenças ditas incuráveis. Os mestres deste mantra têm o poder de suprimir os eventuais efeitos tóxicos dos alimentos, regenerando-os. Podemos igualmente colocar o mantra em lugares marcados por abundantes acontecimentos tristes. O mantra de Guru Rinpoche é nomeadamente muito benéfico às famílias afligidas por um suicídio, dado que semelhante evento cria uma energia negativa que, por vezes, se não for neutralizada, acaba por se descarregar sobre outro membro da família. Sob forma escrita ou recitada, o mantra em doze sílabas de Padmasambhava dissipa essa energia, bem como em geral todos os obstáculos decorrentes. Tem ainda a virtude de prevenir as epidemias e as doenças contagiosas.
Nos dias que correm, os sábios tibetanos que detêm a tradição ainda possuem capacidades pouco comuns, que lhes permitem ajudar os seres a muitos e variados níveis. (...) É um mantra que age em planos muito subtis, dando acesso a coisas espantosas; até há pouco a sua prática permitiu a certos astrólogos-médicos tibetanos o desenvolvimento considerável das suas faculdades.»
(aconselha-se a leitura do livro “Diamantes de Sabedoria”, de Pema Wangyal Rinpoche; a explicação mais detalhada sobre este mantra encontra-se da pág. 117 à pág. 130, de onde este trecho foi retirado).

O MANTRA GAYATHRI

gayatri-mantra
Om Bhur Bhuvah SvahOm Tat Savitur varenyam bhargo devasya dhimahi

Dhiyo yo nah prachodayat
Om
(Oh, Criador do Universo
Possamos nós receber a tua suprema Luz que destrói o pecado
Guia o nosso intelecto na direcção certa)
Gayatri personifica a Mãe dos Vedas (Antigas Escrituras Hindus, as mais antigas e autênticas reveladas a mestres e livres de qualquer imperfeição), associada ao Sol.
O Sol aparece como um elemento religioso e mitológico em vários povos e culturas: África, Egipto, Mesopotâmia, Grécia, Bretanha, Azteca, México, Índia e tribos Norte Americanas. Esta única Fonte Suprema, o espírito de fogo é conhecido como Gayatri.
Este mantra é usado para o controle da respiração e diz-se que abre o nosso ser para receber o brilho energizante do Sol. É o mantra mais poderoso para a criatividade.
O Supremo mantra Gayatri deve ser cantado em rosário, i.e., deve ser repetido 108 vezes. Deve ser cantado três (3) vezes por dia: na transição da noite para o dia, da manhã para a tarde e da tarde para a noite.

Contentes ou angustiados, sempre que olhamos para o Sol, estamos a olhar para o rosto sorridente da Gayatri. É um privilégio poder cantar este mantra que saúda tão grande fonte de vida, activando a consciência.

A vida na Terra é uma manifestação material do supremo poder solar de Gayatri. Este mantra exorta a sua influência em vários níveis da existência: física, mental e emocional, abrindo as “portas” às capacidades intelectuais e criativas mais elevadas.

Ela, Gayatri, protege aqueles que a cantam.

O canto da Gayatri tem o efeito de libertar do Karma, da natural Lei de Causa e Efeito, que controla os ciclos de nascimento e morte.

Beneficia a longevidade, a coragem, o discernimento, força física, saúde, capacidades psíquicas, gentileza de discurso, desenvolvimento espiritual.

No Baghavad Gitta, Lord Krishna clama que, entre os mantras, ele é Gayatri.