Número do Destino

Número do Destino

É o número que resulta da soma completa da data de nascimento (dia, mês e ano). É um número que nos acompanha para toda a vida; não prediz, nem determina, apenas influencia o nosso caminho de vida, caracterizando a nossa forma de estar na vida.

counting-maths-means-background-design-and-numbers

No exemplo dado:
27 de Maio de 1973 = 2 + 7 + 5 + 1 + 9 + 7 + 3 = 34 = 7

Número de Destino 1
Independência, direcção, criação, acção

É chamado a realizar as suas ambições, a dirigir. Original, perseverante, confiante em si, voluntarioso, pode atingir o topo, tornar-se um líder, atingir a fama, mas a sua autoridade excessiva e ambição desmedida podem torná-lo num déspota. A vida pode não ser muito fácil, mas se tiver espírito de aventura, ultrapassará os obstáculos; deve encarar as provações como oportunidades de reflexão, pois impulsividade a mais é inimiga da perfeição e pode correr o risco de deitar tudo a perder, com a pressa! Aprenda a reconhecer os seus erros e a ouvir os conselhos sensatos dos outros, para não ficar só. No entanto, deve aprender a agir sozinho e a explorar a sua força, o seu dinamismo e as suas aspirações. Gosta de proteger os outros, sem excepção. Deve evitar a vaidade e o egocentrismo.

Exemplos: Napoleão e Antero de Quental

Número de Destino 2
Associação, passividade, emotividade, dualidade

A sensibilidade e as sensações dão origem a sonhos poéticos, atracção pela paz, mas também pelas miragens! Natural bondade, humanidade e generosidade. Procura de afecto, amor e amizades partilhados. É a via da diplomacia. O caminho é lento, aparentemente calmo, pois muitas vezes turbulento no interior.

Indecisão e forte dependência dos outros, deve combater a tendência para a submissão. Tem o desejo de colaborar, necessidade de fazer tudo ‘a dois’, medo da solidão e tudo isso pode provocar uma certa instabilidade na pessoa. Estas pessoas podem ir bastante longe se cultivarem a perseverança, a coragem e combaterem a indecisão. Forte desejo de equilíbrio e felicidade familiar, sentimental e conjugal. Introvertido, disponível e discreto, ao mesmo tempo inquieto, a sua acção reveste-se sempre de dúvidas chegando a atingir a depressão! A imaginação gera ilusões e provoca caprichos.

São óptimos ‘ajudantes’ dos outros, subalternos, os “segundos indispensáveis”, os assistentes eficientes, etc., mas nunca chefes. Devem contrariar as ilusões, combater a preguiça e a dependência dos outros e tentarem fortalecer a personalidade nunca através dos outros.

Exemplos: Paul Verlaine e António Feliciano de Castilho

Número de Destino 3
Criatividade, expressão, versatilidade, prazeres

O caminho mais fácil! Um belo caminho, cheio de coisas boas e facilidades, mas atenção!, pois haverá provações e ilusões a ter em conta…

O percurso reclama talento e curiosidade, mas é preciso estar atento, pois certos impulsos tanto originam grandes oportunidades como revezes inesperados. Não existe monotonia. Pensa demasiado, age no momento e em movimento, comunica, criando numerosas relações. Se a pessoa se basear em princípios como a perseverança, a verticalidade, a fidelidade e a lealdade, então poderá operar maravilhas e prodígios e as suas ideias originais darão os melhores frutos; se, pelo contrário, ceder à pulsão dos impulsos para o prazer e a facilidade, poderá deitar tudo a perder e entrar numa certa promiscuidade. A existência é simples e marcada por uma forte extroversão, tenacidade e sentido artístico. Os fracassos são restabelecidos com rapidez, mas evite cair na superficialidade, na frivolidade, no mundanismo ou até num certo complexo de superioridade!

Exemplos: D. Carlos I, Victor Hugo

Número de Destino 4
Trabalho, lógica, construção lenta, organização, limitações

O número 4 corresponde ao quadrado, figura que representa a matéria, o equilíbrio e o esforço. O caminho pode ser difícil, rectilíneo, severo, mas será construtivo e uniformemente progressivo, sem a facilidade do 3 e sem o exagero do 5… Estrada bem marcada, é necessário força de carácter, determinação e domínio de si próprio. Deve assumir as responsabilidades e deveres em verdadeira consciência de forma a adquirir a estabilidade, a construir laboriosa e lentamente, para receber o mérito pelo seu esforço. A lealdade é quase que uma obrigação, não vive sem princípios muito bem definidos. Para que tudo seja menos difícil e mais lucrativo, deve usar a organização, a ordem, o método, a lógica, a razão e a economia a seu favor. Lança os alicerces com o suor do seu rosto, mas isso permite-lhe caminhar em terra firme… Ultrapassa os obstáculos com firmeza, decisão e dignidade. É um caminho cheio de tensões e inquietações, mas seguro, justo, preciso, aplicado e monótono e sempre digno e gratificante a longo prazo. Deve combater a depressão e não cair na armadilha da paranóia. Deve encarar todos os obstáculos e bloqueios, físicos, materiais ou afectivos, como desafios a ultrapassar!

Exemplos: Estaline e Salazar

Número de Destino 5
Liberdade, comunicação, mudanças, expansão

Caminho instável, arriscado mas onde pode triunfar com imensa facilidade.

Geralmente possuem uma saúde de ferro e um gosto muito desenvolvido pela aventura!!! Viagens, comunicação e mudanças fazem parte integrante deste caminho. Verdadeiro amante da liberdade, audacioso, impulsivo e instável! A vida é colorida, mas os abusos, de qualquer tipo, podem conduzir à catástrofe, à doença ou a acidentes. Isto não impede que a vida seja apaixonante cheia de imprevistos, aventuras, sensações fortes, mudanças (a todos os níveis: de casa, de país, de parceiros), e de inúmeras experiências. A instabilidade cria sofrimento e dúvidas, pois este caminho nómada não tolera o cálculo nem a mediocridade. Com inteligência, mostre-se adaptável, e evite a dispersão e a excessiva versatilidade. Domine certos impulsos demasiado virados para o prazer e a libertinagem; se os dominar vencerá as provações. Muito sedutor, sociável, actor, desenvolva o sentido de humor e controle os seus defeitos para evitar grandes períodos de insatisfação. Evite ser interesseiro, faça uma vida higiénica, aprofunde os assuntos e perca o medo do compromisso. Então, terá todas as hipóteses de ver o desconhecido, a vida em evolução a abrir-se para si se aprender a seleccionar, escolher e a fixar-se no que for realmente importante.

Exemplos: Júlio Verne e Mouzinho de Albuquerque

Número de Destino 6
Responsabilidades, união, amor, amizade, desejo de harmonia

Caminho “muito difícil”! Para que este caminho seja menos complicado, tudo tem que estar bem com o coração! A pessoa sente uma necessidade enorme de dar tudo aos outros e esquece-se que também tem de receber! O verdadeiro desejo do caminho número 6 é exprimir amor! Se não o consegue, fica tudo estragado! Deve saber reflectir e escolher bem, sem hesitar demasiado. As opções não são fáceis, as encruzilhadas são difíceis e os compromissos enganosos. Existe a necessidade de se conhecer a si próprio, de conhecer bem os outros e de saber tirar lições das experiências passadas. Esta pessoa mostra-se afável, amável, conciliador e com boas capacidades de avaliar psicologicamente os outros. É um mediador e um conciliador. Atracção por tudo o que se relaciona com as artes. Necessita de estabelecer relações baseadas na confiança. Pode optar por dois caminhos: a via do casal, da família, do amor à casa e aos amigos, assumindo os seus compromissos com abnegação, generosidade, entrega e espírito de sacrifício e a via do social, vertical, organizado, perfeccionista e conselheiro geral. Muito altruísta e dedicado às causas humanitárias, deve controlar a excessiva sensibilidade à flor da pele! Por desencanto e desilusão, pode cair na desorganização, no desleixo, na indolência. As rupturas e as contrariedades tornam-no pessimista e deprimido, pois tolera mal os insucessos. Deve cultivar o discernimento, a todo o custo, e procurar a harmonia, afectiva, estética ou social, apostando no auxílio ao próximo e na estabilidade. Deve fazer um esforço para não ceder tanto a solicitações.

Exemplos: Alfred Musset e Infante D. Henrique

Número de Destino 7
Vida interior, solidão, perfeição, idealismo

Percurso elevado, de alta espiritualidade tranquila, vida interior intensa; este caminho é marcado fortemente pelo intelecto, meditação, reflexão, introspecção, análise e numa busca constante do porquê das coisas e da razão da existência. O plano material é secundário, mas muito bem entendido, pois estas pessoas sabem que há algo mais para além do palpável. Por isso, podem ter um excelente e promissor destino, mas devem estar atentos às armadilhas de um idealismo excessivo, isto é, de não se deixarem cair no fanatismo. Devem aceitar, de bom grado, os sacrifícios que esta via implica. Podem desempenhar uma missão elevada, tal como a pesquisa, a filosofia, a psicologia, que implicam recolhimento e isolamento. As pessoas com este número de destino são de uma rara amizade e, em geral, pessoas fora do comum, mas pouco dadas ao casamento, por exemplo. Actuam de forma reservada, secreta, sonhadora, humilde, mas independente e depressa caiem em inquietações decorrentes de se questionarem sobre a utilidade dos seus actos, a futilidade do sucesso, as questões ligadas à Vida e à Morte, etc. No entanto, não há bela sem senão, e o lado negativo de um caminho 7 é o arrivismo dissimulado, a desconfiança que reprime as emoções, o calculismo e o egoísmo, bem como a tendência para relações interesseiras, ou a infidelidade.

Este é o caminho do perfeccionista, do crente, do arrivista, do pensador de qualidade, do silêncio e do espírito. Podem funcionar como conciliadores e mestres espirituais; conseguem alcançar uma consciência superior em muitos campos da espiritualidade, porque se apercebem dos limites da realidade material e do seu valor limitado, por ser transitório. Qualquer pessoa com este número de destino possui uma natureza filosófica que faz com que lhe seja mais fácil ver a vida tal como ela é, a qual deve ser vivida com intensidade e convicção. Devem aprender a amar os outros e a exteriorizar os seus sentimentos.

Exemplos: Louis Pasteur e Marquês de Pombal

Número de Destino 8
Poder, material, ambição, justiça

Caminho rápido, forte, crítico, tumultuoso e dominado pela ambição. O sucesso é possível, tanto a nível material como social, obtendo mesmo um certo brilhantismo, mas é uma vida de luta, de combate exterior e interior, de busca da verdade. Neste caminho encontram-se a verticalidade, a coragem, a estabilidade, a resistência, o sentido da justiça e um ainda mais apurado sentido dos negócios. Pessoas com um grande sentido prático, construtivas; entusiastas, impulsivas e ambiciosas. Com desejo de sucesso e de aquisição, de realizações importantes, mas sujeitas a mudanças. Resistem e exigem provas sólidas de tudo. Podem ser intolerantes, vingativas, imoderadas e abusivas. Evite a armadilha de utilizar os outros em seu proveito ou de os sacrificar para atingir os seus objectivos. A sede de sucesso e de ascensão social podem estar camufladas debaixo de uma aparência simples ou insignificante; quando mal compreendidos pelos outros, podem desenvolver um ligeiro complexo de inferioridade, bem como uma certa sede de vingança. Deve aprender a compreender os outros e a usar a sua força com humildade e moderação, colocar a importância do dinheiro no seu devido lugar, não poupar demasiado (o avarento) nem se tornar num consumidor compulsivo, bem como a controlar a cobiça. Qualquer deslize provocará, de imediato, uma consequência desagradável e impiedosa, uma vez que este caminho implica tensão, paixão e força desmedida.

Exemplos: Ludwig Beethoven e Camilo Castelo Branco

Número de Destino 9
Idealismo, humanismo, fraternidade, dedicação

É o caminho privilegiado, a viagem trepidante, da descoberta, da evasão, da evolução; a via aberta aos diferentes mundos metafísicos, ideológicos, espirituais, humanitários; a via dos solitários, pois raramente se encaixam com os outros. São pessoas que já não estão neste tempo. No entanto, nada será fácil, tudo implicará esforços, as missões serão cheias de lutas e obstáculos; com o tempo, tudo se ganha, ganhando também maturidade. É a via do peregrino, do eremita e, como tal, da compreensão, dedicação, coragem, resolução, procura, sabedoria, intuição, responsabilidades, sentimentos nobres e moral elevada; o sonho raia a utopia e as ilusões também. Pessoas verticais, independentes, intelectuais, podem ser guias maravilhosos, pioneiros, missionários, mas de carácter reservado. Devem também cultivar o discernimento, como contraponto a um excesso de hiperemotividade! As suas inquietações advêm, muitas vezes, da incapacidade de melhorar o mundo e de enfrentar as fraquezas humanas; isto, num excesso, poderia levar estas pessoas a destruírem-se a si próprias ou a um processo intolerante de rejeição. Existe vaidade e falsa humildade, no entanto, são feitos para socorrer e ajudar os outros, escutar, compreender e aconselhar. Ofendem-se com facilidade. Têm veia artística. No amor, exigem entrega e fidelidade absolutas, mas eles próprios são mais dotados para o amor universal que outra coisa (“porquê amar apenas um se posso amar todos?”). Se não esperarem nada, muito lhes será dado, e podem atingir a fama no fim da vida. A combater o egoísmo e o excesso de sacrifício.

Exemplos: Eça de Queiroz e Saint-Exupéry

Número de Destino 11
Domínio, revelações, inspiração, análise

Caminho de excepção que, frequentemente, é reduzido ao 2. Estas pessoas possuem uma vontade de ferro, inteligência aguda e perspicaz, força interior e tenacidade; o destino deste número é o sucesso! Existe um vasto ideal ajudado por fortes intuições, que faz com que estas pessoas possam ocupar lugares de grande destaque e responsabilidade que podem conduzi-los ao sucesso. Precisam de independência e liberdade de acção e de pensamento; o seu espírito de síntese e sentido de ordem ajudam a alargar ainda mais os horizontes. Tudo o que fazem é original e aparatoso. O correlato de tudo isto é a impaciência, o nervosismo, o orgulho e, muitas vezes, criar quase que desnecessariamente um complexo de superioridade. O seu autoritarismo sufocante manifesta-se numa necessidade de controlar tudo e todos; neste caso, o reverso da medalha não se faz esperar e o sucesso transforma-se em derrocada, tendo que recomeçar tudo do zero; se conseguir transformar estes atributos negativos em humildade e discernimento, baseados na auto-análise honesta e imparcial, conseguirá obter muito êxito através da sagacidade e da flexibilidade, bem como da compaixão. É saber retirar dos ensinamentos da vida aquilo que a vida tem de verdadeiro para nos ensinar. O número 11 tem que dar o exemplo! É atraído pelo original e extravagante, ama em simultâneo e de diversas maneiras, pois o amor simples e único, bem como o sucesso material não são para si. O caminho do 11 é o do mensageiro, do revelador!

Exemplo: São Francisco de Assis

Número de Destino 22
Construção universal, realização total, elevação

Este é o caminho dos génios ou dos loucos, dos mestres ou dos ditadores. Não existe meio termo, tudo é imenso, enorme, fora do habitual.

Aqui tudo é elevado, fora do comum, é o caminho do não conformista, do pioneiro, do avant-garde, daquele que possui uma inteligência superior e que a põe ao serviço de uma causa maior, mas correndo o risco de, frequentemente, cair numa ambição desmedida e de querer realizar projectos megalómanos! Tudo é excessivo! Normalmente, todas estas potencialidades são postas ao serviço da humanidade; os projectos abundam e a amplitude da tarefa absorve. Constrói-se, dá-se, distribui-se por toda a humanidade mas à custa de um sacrifício enorme também: sacrifica-se a vida privada, o sistema nervoso e vive-se intensamente a dificuldade de pertencer a uma só pessoa. Muito exigentes e perfeccionistas, com excepcional capacidade de realizar os seus sonhos, quase atingem o delírio na procura dessa realização concreta que vise a colectividade, a fraternidade, a partilha. É preciso controlar todas estas energias para as pôr de facto ao serviço da humanidade sem grandes estragos. Orgulhoso, mas honesto, humanista mas autoritário, o próprio caminho transforma o construtor em mestre ou em possesso que pode guiar ou naufragar. Serão os cumes ou os abismos, sem meias medidas!

Exemplo: Sigmund Freud